Beijo

 

 Pintura de Jean Honnoré Fragonard (1732-1806)

– Poema de Milú Almeida 2023

  BEIJO

Dou-te um beijo e vivo em ti

E tu em mim.

Dou-te um beijo e acordo-te,

Dou-te um beijo e sei que estás comigo.

Toco teus lábios por afeição,

Toco teus lábios por amor,

Abre-se a química que nos une,

Ardente sorte de duas bocas que ao unir-se

Se desfrutam.

Soltam-se declarações de amor e presença,

O entrelaçar das mãos,

O abraço aconchegante ou ofegante…

O encontro simples e de gratuita meiguice,

Ou tresloucado de paixão.

Dá-se o beijo mansinho, com ternura doce,

Dá-se o beijo de começo e recomeço,

Fermento que amplia e sacia corpo e pensamento

e a vida desenha novos sonhos e visões.

De olhos fechados, prende-se o sabor,

Celebra-se a vida e o acordar.

De lábios pousados

Absortos caímos na ilusão e subimos ao céu,

Ao ardor delirante que mata a saudade,

Ao enlouquecer colado a alguém.

Com um beijo se cala a boca e aprende a esperar

O sabor de um raio de sol

Que se abre num desfalecer gratificante.

 

 

1 thought on “Beijo”

  1. Poema muito lindo, só uma porta poderia descrever o amor contido no beijo. Parabéns por esta escolha do jornal digital.

Deixe o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *